A fé dos primeiros cristãos de acordo com a fé da Igreja atual!

1) Considera agora qual deles é de maior valor: o pão dos anjos ou a Carne de Cristo, que é o corpo da vida.

Aquele maná vem do céu; este está acima do céu.
Aquele, do céu; este, do Senhor dos céus.
Aquele é corruptível, se guardado para o dia seguinte; este é totalmente imune de corrupção e quem o tomar piedosamente não poderá experimentar a corrupção.
Para aqueles brotou a água da pedra; para ti, o Sangue de Cristo.
Àqueles, por um momento, a água saciou; a ti o Sangue do Senhor refresca para sempre.
O povo antigo bebe e tem sede; tu, ao beberes, não podes mais sentir sede, pois, de fato, aquilo era sombra, enquanto isto é realidade
“. (Santo Ambrósio, século IV).

Eis, Amigos, a graça incomensurável dos sacramentos da Igreja, instituídos pelo Cristo nosso Deus: Eles nos dão de modo definitivo e real, nos gestos, palavras e símbolos do rito litúrgico, aquilo que era prefigurado na história do antigo povo de Deus! Sem liturgia não há cristianismo pleno e verdadeiro…

2) Coisa admirável o ter Deus feito chover o maná para sustentar com o alimento celeste os patriarcas. Por isso se disse: O homem comeu o pão dos anjos. No entanto, aqueles que comeram deste pão,todos eles morreram no deserto; o alimento, porém, que tu recebes, pão vivo que desceu do céu, comunica a substância da vida eterna e quem quer que dele comer não morrerá eternamente, pois é o corpo de Cristo.” (Santo Ambrósio, século IV).

Como pode um cristão pensar em ser fiel à fé da Igreja e das Escrituras negando uma convicção que provém dos primórdios da Igreja de Cristo, da fé mesma de nossos pais? Pense nisto!

3)‎”É realmente a verdadeira carne de Cristo que foi crucificada, sepultada; é verdadeiramente o sacramento desta carne. O próprio Senhor Jesus declara: Isto é o meu corpo.

Antes da bênção das palavras celestes era outra realidade; depois da consagração, entende-se o corpo.
Ele mesmo diz que é seu sangue.
Antes da consagração é outra coisa; depois da consagração, chama-se sangue.
E tu dizes: “Amém”; o que quer dizer: “É verdade”.
Confesse o nosso interior o que proclamam os lábios, sinta o afeto o que a palavra soa” (Santo Ambrósio de Milão, séc. IV).

4) ‎”Fixemos o olhar no sangue de Cristo e vejamos o quanto ele é precioso junto a Deus, Seu Pai, porque, derramado pela nossa salvação, levou a todo o mundo a graça do arrependimento” – São Clemente Romano – terceiro Sucessor de Pedro, séc. I.

5) ‎”Sei que sois bem dispostos com fé indefectível e credes plenamente no nosso Senhor. (Ele) por nós penetrado na carne por cravos – nós somos fruto desta bendita e divina paixão! – para elevar, com a Sua ressurreição, um estandarte pelos séculos e reunir no corpo uno da Sua Igreja o Seus santos e os Seus crentes. Ele suportou todos estes sofrimentos por nós, para que fôssemos salvos; e sofreu realmente, como realmente ressuscitou! Eu sei e creio que mesmo depois da ressurreição, Jesus Cristo era na carne. E quando Se aproximou daqueles que estavam ao redor de Pedro… tocaram-nO e, ao contato com a Sua carne e o Seu espírito, creram! Por isso eles desprezaram a morte e triunfaram sobre ela. Para associar-me à Sua paixão, eu suporto qualquer coisa!” – Santo Inácio da Antioquia, bispo do século I, morto devorado pelas feras por causa de Cristo Jesus.

Note:

(1) O santo mártir quer deixar claro que Jesus não é uma lenda: é real! Cremos a partir de fatos reais, de uma dolorosa paixão muito concreta e de uma ressurreição muito real! Num mundo de tantos mitos, cremos numa Realidade maravilhosa!

(2) Por terem visto e tocado de verdade e na verdade, nossos primeiros irmãos não tiveram medo das privações e da morte: por Cristo morto e ressuscitado enfrentaram todos os sofrimentos e triunfaram com Ele!

6) A água viva murmura dentro de mim e me diz: ‘Vem para o Pai!’ Não mais me deleitam o alimento corruptível nem os prazeres desta vida. Desejo o ‘pão de Deus’, aquele pão que é a Carne de Jesus Cristo, filho de Davi; quero por bebida o Seu Sangue, que é o amor incorruptível!“ – Santo Inácio – Bispo de Antioquia, séc. I.

Observe: (1) A água que murmura é o Espírito Santo, que nos atrai a Cristo e, por Ele, ao Pai, nossa última saudade. (2) Quanto mais o Espírito de Cristo age em nós, menos os “alimentos” deste mundo nos atraem, nos satisfazem. (3) O verdadeiro alimento, que sacia, que enche de paz e sentido é o Cristo, que teremos eternamente no Céu e, já agora, no sacramento do Seu Corpo real e verdadeiro de filho de Davi, humano, e do Seu Sangue derramado e entregue, sinal de um amor eterno e incorruptível, aquele amor pelo qual tanto ansiamos!

Conclusão

 Note, meu Amigo, como é belo ser católico: guardamos a mesmíssima fé, professada sem interrupção desde os primórdios: a nossa é a fé de Pedro e de Paulo, de Inácio de Antioquia, de Policarpo de Esmirna, de Irineu de Lião, de Lourenço, de Ambrósio, de Atanásio de Alexandria e de Agostinho de Hipona. É a fé que vem dos Apóstolos e subsistirá, pela assistência do Santo Espírito, até o fim dos tempos!

Dom Henrique Soares da Costa

Anúncios

A Igreja e o limbo

Gostaria de saber sobre o que a Igreja diz a respeito do limbo. Quanto às crianças mortas sem o batismo, vão para esse lugar de felicidade natural? O limbo existe ou existiu antes da ressurreição de Cristo?

Dom Henrique

O limbo nunca fez parte da fé da Igreja; trata-se somente de um teologoúmenon, isto é, de uma opinião teológica, defendida no passado por vários teólogos católicos, mas atualmente abandonada por quase todos.

Mas, o que seria esse “limbo”? Seria um estado de “felicidade natural” no qual os mortos se encontrariam. Isto é, as crianças mortas sem o batismo ou os homens justos que, sem culpa, não conheceram a Cristo, não poderiam estar nos céus, pois não teriam recebido o batismo que nos purifica da culpa original e também não estariam no inferno, já que não tiveram culpa de não serem cristãos. Observe-seque os teólogos que defendiam a idéia do limbo tinham uma intenção reta: deixar claro que, sem Cristo, é impossível ao ser humano chegar à plenitude da comunhão com Deus. Isto é verdade; mas não é preciso recorrer à idéia do limbo, que não tem sentido. Por quê? Vejamos:

(1) A Escritura nem de longe acena para a possibilidade da existência do limbo. Também a grande Tradição da Igreja não contempla esta idéia.

(2) É verdade que todos nascemos solidários no pecado original, isto é, toda a humanidade encontra-se ferida e quebrada, numa solidariedade no fechamento para Deus: “Por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, e assim a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram…” (Rm 5,12). Isto faz São Paulo exclamar com pesar e realismo: “Todos pecaram e estão privados da glória de Deus…” (Rm 3,23): nascemos todos marcados pelo fechamento para Deus, pela incapacidade de agradá-lo realmente! O Apóstolo também aponta o único meio para sair dessa situação, o único meio de voltar à comunhão com Deus, à justiça de Deus: “… e são justificados gratuitamente, por sua graça, em virtude da redenção realizada em Cristo Jesus”(Rm 3,24). Então, para a humanidade, sem exceção, não há salvação fora de Cristo! Nisto, os que defendiam o limbo estavam corretíssimos!

Mas, atenção: se todos já nascemos marcados pelo pecado de nossos primeiros pais, simbolizados em Adão (= pecado original), todos já nascemos também – e muito mais! – marcados pela graça da salvação em Cristo Jesus: “Não acontece com o dom o mesmo que com a falta. Se pela falta de um só, todos morreram,com quanto maior profusão a graça de Deus e o dom gratuito de um só homem, Jesus Cristo, se derramaram sobre todos(Rm 5,15). Que coisa impressionante: nascemos marcados pelo pecado e nascemos marcados pela graça! Nascemos herdeiros de uma carga negativa enorme, de uma dívida impagável e, ao mesmo tempo, nascemos já com um crédito infinito: Cristo nos amou e se entregou por nós (cf. Gl 2,20). Antes que nós o amássemos, ele nos amou primeiro! Então, aqueles que, sem culpa própria, morreram sem o batismo, é verdade que tinham o pecado herdado da humanidade, mas também eram marcados pela graça daquele que morreu por todos (cf. 2Cor 5,14s): “Não acontece com o dom o mesmo que com a falta. Se pela falta de um só todos morreram, com quanto maior profusão a graça de Deus e o dom gratuito de um só homem, Jesus Cristo, se derramaram sobre todos” (Rm 5,15). Então, todos nós, marcados pela morte, somos, mais ainda, marcado pela vida, pois “onde avultou o pecado, a graça superabundou” (Rm 5,20). Assim, aqueles que, sem culpa, não receberam o batismo e viveram retamente, podem, em Cristo, receber a plenitude da salvação.

(3) Você usou uma expressão interessante: “felicidade natural”. As criancinhas mortas sem batismo e os justos não batizados sem culpa própria teriam não o céu (= felicidade sobrenatural, a vida com Deus, a vida plena do próprio Deus), mas uma felicidade somente natural. Ora, não existe para a humanidade outro destino, outra felicidade a não ser em Cristo Jesus! Não existe uma felicidade natural e outra sobrenatural: para todo ser humano, não chegar à glória de Cristo é frustrar-se, é o inferno! E por que isso? Porque fomos todos criados através de Cristo e para Cristo“Ele é a Imagem do Deus invisível, o Primogênito de toda criatura, porquenele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra” (Cl 1,15s); “Nele (em Jesus Cristo), ele (o Pai) nos escolheu antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele no amor. Ele (o Pai) nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por Jesus Cristo, conforme o beneplácito de sua vontade, para o louvor e glória de sua graça, com a qual ele nos agraciou no Amado” (Ef 1,4-6).

Note-se bem a importância destas afirmações: toda a humanidade foi criada para participar da filiação de Cristo, o Filho Amado. Cristo é o destino único e irrenunciável do ser humano, de modo que, não chegar a ele, é frustrar-se. Não há outra felicidade para a humanidade, não há outra bênção fora de Cristo! Mesmo os nossos primeiros pais, foram criados através de Cristo e para Cristo – basta reler essas citações que coloquei acima! Concluindo, toda a felicidade natural do homem tende para a felicidade sobrenatural, que é a comunhão com o Pai através do Filho no Espírito. Não há, não pode haver, outro destino para nós!

Para concluir, você pergunta se o limbo existiu antes da ressurreição de Cristo. Não! A expressão correta é “sheol” ou “mansão dos mortos”, isto é, aquele estado de espera, de não total realização da humanidade, até que Cristo, o Primogênito dentre os mortos, arrancasse a todos dessa situação.

Cardeal Burke fala sobre a Fraternidade São Pio X

A verdadeira Igreja de Jesus Cristo

Relato histórico da primeira missa no Brasil

Por Rafael de Mesquita Diehl 
 
Quase todos nós ao ouvirmos falar da primeira Missa celebrada em território brasileiro imediatamente trazemos à nossa mente a imagem imortalizada pela tela de Victor Meirelles de 1860 e atualmente exposta no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro. A pintura, de estilo romântico, representa os indígenas e portugueses assistindo a uma Missa celebrada pelo Frei Henrique de Coimbra, acolitado por um outro frade, diante de uma grande cruz de madeira armada junto do altar da celebração. Por ocasião dos 512 anos da celebração da primeira missa no Brasil, comemorado hoje, dia 26 de abril de 2012, essa imagem está sendo compartilhada nas redes sociais para relembrar o evento. Contudo, a tela de Meirelles retrata na verdade, a segunda Missa no Brasil, celebrada dia 1º de maio. Como assim?!
No dia 26 de abril de 1500, os portugueses celebraram a primeira missa no Brasil, mas na ilha da Coroa Vermelha, uma ilhota que já não existe mais. Era Domingo da Oitava de Páscoa, e a Missa foi celebrada de forma cantada, sobre um altar montada debaixo de um dossel, assistida por cerca de 1000 homens da esquadra de Pedro Álvarez Cabral. Na praia do continente, cerca de 200 indígenas acompanhavam de longe a cerimônia. 
 
Ao domingo de Pascoela pela manhã, determinou o Capitão ir ouvir missa e sermão naquele ilhéu. E mandou a todos os capitães que se arranjassem nos batéis e fossem com ele. E assim foi feito. Mandou armar um pavilhão naquele ilhéu, e dentro levantar um altar mui bem arranjado. E ali com todos nós outros fez dizer missa, a qual disse o padre frei Henrique, em voz entoada, e oficiada com aquela mesma voz pelos outros padres e sacerdotes que todos assistiram, a qual missa, segundo meu parecer, foi ouvida por todos com muito prazer e devoção. 
Ali estava com o Capitão a bandeira de Cristo, com que saíra de Belém, a qual esteve sempre bem alta, da parte do Evangelho.
Acabada a missa, desvestiu-se o padre e subiu a uma cadeira alta; e nós todos lançados por essa areia. E pregou uma solene e proveitosa pregação, da história evangélica; e no fim tratou da nossa vida, e do achamento desta terra, referindo-se à Cruz, sob cuja obediência viemos, que veio muito a propósito, e fez muita devoção.
Enquanto assistimos à missa e ao sermão, estaria na praia outra tanta gente, pouco mais ou menos, como a de ontem, com seus arcos e setas, e andava folgando. E olhando-nos, sentaram. E depois de acabada a missa, quando nós sentados atendíamos a pregação, levantaram-se muitos deles e tangeram corno ou buzina e começaram a saltar e dançar um pedaço. E alguns deles se metiam em almadias — duas ou três que lá tinham — as quais não são feitas como as que eu vi; apenas são três traves, atadas juntas. E ali se metiam quatro ou cinco, ou esses que queriam, não se afastando quase nada da terra, só até onde podiam tomar
pé.
Acabada a pregação encaminhou-se o Capitão, com todos nós, para os batéis, com nossa bandeira alta.”(Carta de Pero Vaz de Caminha a El-Rey Dom Manuel I de Portugal, Porto Seguro, 1º de maio de 1500. Os grifos são meus)
 
O motivo desta celebração ter sido mais afastada foi provavelmente de que o capitão não se sentia seguro de mandar celebrar a liturgia no continente por ainda não ter contatos suficientes com os nativos da terra.
Foi só na sexta-feira, 1º de maio, que o Frei Henrique de Coimbra celebrou Missa solene diante da cruz de madeira plantada na terra da praia de Porto Seguro, a qual assistiu toda a esquadra e uma grande quantidade de indígenas que se juntaram para observarem a cerimônia.
 
E hoje que é sexta-feira, primeiro dia de maio, pela manhã, saímos em terra com nossa bandeira; e fomos desembarcar acima do rio, contra o sul onde nos pareceu que seria melhor arvorar a cruz, para melhor ser vista. E ali marcou o Capitão o sítio onde haviam de fazer a cova para a fincar. E enquanto a iam abrindo, ele com todos nós outros fomos pela cruz, rio abaixo onde ela estava. E com os religiosos e sacerdotes que cantavam, à frente, fomos trazendo-a dali, a modo de procissão. Eram já aí quantidade deles, uns setenta ou oitenta; e quando nos assim viram chegar, alguns se foram meter debaixo dela, ajudar-nos. Passamos o rio, ao longo da praia; e fomos colocá-la onde havia de ficar, que será obra de dois tiros de besta do rio. Andando-se ali nisto, viriam bem cento cinqüenta, ou mais. Plantada a cruz, com as armas e a divisa de Vossa Alteza, que primeiro lhe haviam pregado, armaram altar ao pé dela. Ali disse missa o padre frei Henrique, a qual foi cantada e oficiada por esses já ditos. Ali estiveram conosco, a ela, perto de cinqüenta ou sessenta deles, assentados todos de joelho assim como nós. E quando se veio ao Evangelho, que nos erguemos todos em pé, com as mãos levantadas, eles se levantaram conosco, e alçaram as mãos, estando assim até se chegar ao fim; e então tornaram-se a assentar, como nós. E quando levantaram a Deus, que nos pusemos de joelhos, eles se puseram assim como nós estávamos, com as mãos levantadas, e em tal maneira sossegados que certifico a Vossa Alteza que nos fez muita devoção.
Estiveram assim conosco até acabada a comunhão; e depois da comunhão, comungaram esses religiosos e sacerdotes; e o Capitão com alguns de nós outros. E alguns deles, por o Sol ser grande, levantaram-se enquanto estávamos comungando, e outros estiveram e ficaram. Um deles, homem de cinqüenta ou cinqüenta e cinco anos, se conservou ali com aqueles que ficaram. Esse, enquanto assim estávamos, juntava aqueles que ali tinham ficado, e ainda chamava outros. E andando assim entre eles, falando-lhes, acenou com o dedo para o altar, e depois mostrou com o dedo para o céu, como se lhes dissesse alguma coisa de bem; e nós assim o tomamos!
Acabada a missa, tirou o padre a vestimenta de cima, e ficou na alva; e assim se subiu, junto ao altar, em uma cadeira; e ali nos pregou o Evangelho e dos Apóstolos cujo é o dia, tratando no fim da pregação desse vosso prosseguimento tão santo e virtuoso, que nos causou mais devoção.
Esses que estiveram sempre à pregação estavam assim como nós olhando para ele. E aquele que digo, chamava alguns, que viessem ali. Alguns vinham e outros iam-se; e acabada a pregação, trazia Nicolau Coelho muitas cruzes de estanho com crucifixos, que lhe ficaram ainda da outra vinda. E houveram por bem que lançassem a cada um sua ao pescoço. Por essa causa se assentou o padre frei Henrique ao pé da cruz; e ali lançava a sua a todos — um a um — ao pescoço, atada em um fio, fazendo-lha primeiro beijar e levantar as mãos. Vinham a isso muitos; e lançavam-nas todas, que seriam obra de quarenta ou cinqüenta. E isto acabado — era já bem uma hora depois do meio dia — viemos às naus a comer, onde o Capitão trouxe consigo aquele mesmo que fez aos outros aquele gesto para o altar e para o céu, (e um seu irmão com ele). A aquele fez muita honra e deu-lhe uma camisa mourisca; e ao outro uma camisa destoutras.
E segundo o que a mim e a todos pareceu, esta gente, não lhes falece outra coisa para ser toda cristã, do que entenderem-nos, porque assim tomavam aquilo que nos viam fazer como nós mesmos; por onde pareceu a todos que nenhuma idolatria nem adoração têm. E bem creio que, se Vossa Alteza aqui mandar quem entre eles mais devagar ande, que todos serão tornados e convertidos ao desejo de Vossa Alteza. E por isso, se alguém vier, não deixe logo de vir clérigo para os batizar; porque já então terão mais conhecimentos de nossa fé, pelos dois degredados que aqui entre eles ficam, os quais hoje também comungaram.
Entre todos estes que hoje vieram não veio mais que uma mulher, moça, a qual esteve sempre à missa, à qual deram um pano com que se cobrisse; e puseram-lho em volta dela. Todavia, ao sentar-se, não se lembrava de o estender muito para se cobrir. Assim, Senhor, a inocência desta gente é tal que a de Adão não seria maior — com respeito ao pudor. Ora veja Vossa Alteza quem em tal inocência vive se se convertera, ou não, se lhe ensinarem o que pertence à sua salvação.
Acabado isto, fomos perante eles beijar a cruz. E despedimo-nos e fomos comer.” (Carta de Pero Vaz de Caminha)
 

Fica assim, desfeito o engano. A primeira missa no Brasil foi celebrada em um Domingo, dia 26 de abril, na ilhota da Coroa Vermelha. O que Victor Meirelles representou em seu quadro de 1860 é a primeira Missa celebrada em terras continentais do Brasil, na sexta-feira, 1º de maio de 1500. Nada disso, contudo, anula a memória deste dia, em que comemoramos a primeira Missa celebrada em terras brasileiras, onde por singular graça e sagrado privilégio, nossa Pátria nasceu sendo oferecida a Deus junto com o Santo Sacrifício de Seu Filho e Senhor Nosso, Jesus Cristo.
Brasil: Terra de Santa Cruz!

fonte: http://www.salvemaliturgia.com/

Festa da Divina Misericórdia

A Festa da Divina Misericórdia que ocorre no primeiro domingo depois da Páscoa, estabelecida oficialmente como festa universal pelo Papa João Paulo II. 

“Por todo o mundo, o segundo Domingo da Páscoa irá receber o nome de Domingo da Divina Misericórdia, um convite perene para os cristãos do mundo enfrentarem, com confiança na divina benevolência, as dificuldades e desafios que a humanidade irá experimentar nos anos que virão” (Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Decreto de 23 de Maio de 2000).

                                                 Encontra suas origens em Santa Maria Faustina Kowalska,   que na década de 30 obteve de Jesus, revelações acêrca da instituição dessa festa no seio da Igreja, bem como profecias e manifestações que o próprio Cristo mandou que as escrevesse e  retransmitisse à humanidade.  Foi Jesus quem pediu a instituição da festa da Divina Misericórdia a Santa Faustina. Jesus se refere a ela 14 vezes, expressando o imenso desejo do Seu Coração Misericordioso de distribuir, neste dia, as Suas graças.

“Nenhuma alma terá justificação, enquanto não se dirigir, com confiança, à Minha misericórdia. E é por isso que o primeiro domingo depois da Páscoa deve ser a Festa da Misericórdia” (Diário, 570).

Neste dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia;   a alma que se confessar e  comungar alcançará o perdão total das culpas e castigos; nesse dia estão abertas  todas as comportas Divinas, pelas quais fluem as  graças; 

“Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de mim, ainda que seus pecados sejam como escarlate. A minha misericórdia é tão grande que por toda a eternidade não a aprofundará nenhuma mente, nem humana, nem angélica. Tudo que existe saiu das entranhas da minha misericórdia” (Diário, 699).

Dize à humanidade que sofre que se aproxime do meu coração misericordioso, e eu a cumularei de paz (Diário 1074)

                                                 Irmã Faustina era polonesa, natural da vila de Glogowiec, perto de Lodz, a terceira de uma prole de dez filhos. Aos vinte anos entrou para a Congregação de Nossa Senhora da Misericórdia, cujas irmãs se dedicavam à assistência de moças desvalidas ou em perigo de seguir o mau caminho.  Em 1934,  por indicação de  seu diretor espiritual,  iniciou um diário que intitulou “A divina misericórdia em  minh’alma”.  A narração pormenorizada de profundas revelações e de experiências espirituais extraordinárias revela o modo pelo qual Nosso Senhor deseja incumbi-la de uma missão particularíssima – ou seja – a de relançar no mundo a  mensagem da sua misericórdia unida a novas formas de culto quais sejam uma imagem e uma festa comemorativa. 

                                                 A missão da  irmã Faustina iniciou-se em 1931, quando o misericordioso Salvador lhe aparecer em característica visão:  Ela vira de fato Jesus envolto em uma túnica branca. Tinha a mão direita alçada no ato de abençoar, enquanto a esquerda pousava no peito, onde a túnica levemente aberta deixava sair dois grandes raios, um vermelho e outro pálido. A irmã fixou em silêncio o olhar surpreso no Senhor: a sua alma, de início espantada, sentia progressivamente exultante felicidade. Disse-lhe Jesus:  

“Pinta uma imagem de acordo com o modelo que vês com a inscrição embaixo: Jesus, eu confio em Vós! Desejo que esta imagem seja venerada primeiro na vossa capela e  depois no mundo inteiro. 

“Prometo que a alma que venerar esta imagem não perecerá.  Prometo também a  vitória sobre os inimigos já nesta terra mas  especialmente na hora da morte.  Eu mesmo a defenderei com a minha própria glória.”

“Ofereço aos homens um recipiente com o qual deverá vir buscar graças na fonte da misericórdia. O recipiente é esta própria imagem com a inscrição:  Jesus, eu confio em Vós!”

                                                 A pedido de seu diretor espiritual, irmã Faustina perguntou ao Senhor qual era o significado dos dois raios que tanto se destacavam na imagem:  

“Os dois raios representam o sangue e a água. O raio pálido representa a água que justifica as almas, o vermelho representa o sangue, vida das almas.  Ambos os raios saíram das entranhas da minha misericórdia quando na cruz, o meu coração agonizante na  morte foi aberto com a lança”. 

“Estes raios defendem as  almas da ira do meu Pai. Feliz aquele que viver sob a proteção deles, porque não será atingido pelo braço da justiça de Deus.” 

                                                 Em outras ocasiões, Jesus voltou a falar  sobre a imagem: 

“O meu olhar naquela imagem é igual ao meu olhar na Cruz”

“Mediante esta imagem concederei muitas graças às almas;  ela deve recorrer às exigências da  minha misericórdia, pois que a fé, mesmo se fortíssima, nada adiantará sem as obras”.

“Não na beleza da cor, nem na habilidade do artista, mas na minha graça está o valor desta imagem”

TRÊS HORAS DA TARDE: HORA DA MISERICÓRDIA

“Às três da tarde, implora à minha misericórdia, especialmente pelos pecadores e, ao menos por um breve tempo, reflete sobre a minha Paixão, sobretudo sobre o abandono em que me encontrei no momento da minha agonia. Esta é uma hora de grande misericórdia para o mundo inteiro. Nesta hora não negarei nada a alguma que me pedir em nome da minha Paixão. (n. 59)

“Todas as vezes que ouvires soar três horas da tarde, mergulhe toda na minha misericórdia, adorando-a e glorificando-a. Invoca a  sua onipotência para o mundo inteiro, especialmente para os pobres pecadores porque é nessa hora que estará largamente aberta para cada alma. Naquela hora obterás tudo para ti e para os outros. Naquela hora o mundo inteiro recebeu uma grande graça: A misericórdia venceu a justiça.

“Procura nessa hora realizar a Via Sacra, se os teus deveres não te impedirem. Se não for possível vai um momento à capela e venera o meu Coração cheio de misericórdia no Santíssimo Sacramento. Se não puderes ir à capela, recolhe-te um momento em oração no lugar onde te encontrares. 

                                                 Eis uma invocação que se pode dizer às três horas da tarde e que Irmã Faustina repetia freqüentemente durante o dia, para renovar a  sua consagração à Divina Misericórdia: 

“Ó Sangue e Água que jorras do Coração de Jesus como fonte de misericórdia para nós, confio em Vós”. 

Fonte: http://www.paginaoriente.com/santos/festadamisericordia.htm

Eventos mundiais que repercutirão em 2012

A comemoração do 50.º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II com um ‘Ano da Fé’ e a realização de um Sínodo dos Bispos sobre a ‘Nova Evangelização’ são pontos centrais da agenda católica mundial para 2012.

Para o teólogo João Duque, presidente do Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa (UCP), considera que estes são momentos que podem promover uma “redescoberta da identidade”.

“Penso que estes 50 anos de distância nos permitirão uma reflexão que conduza o Concílio aos seus núcleos fundamentais e permita compreender quais os seus contributos para a profunda transformação da Igreja, no permanente caminho de aproximação à sua identidade e aproximação ao mundo, para o qual existe”, sublinha o especialista, em texto publicado no semanário Agência ECCLESIA.

“Nessa redescoberta, considero fundamental a orientação da fé, pois é nela que se encontra a base da correta ou incorreta realização do que pretendeu o Concílio”, acrescenta.

Bento XVI anunciou, em outubro deste ano, a convocação de um ‘Ano da Fé’ entre outubro de 2012 e novembro de 2013, para assinalar os 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II (1962-1965).

Na carta apostólica ‘A porta da fé’, o Papa explica os objetivos da iniciativa: “Pareceu-me que fazer coincidir o início do ano da fé com o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II poderia ser uma ocasião propícia para compreender que os textos deixados em herança pelos padres conciliares”.

Também em 2012, de 7 a 28 de outubro, vai ter lugar a 13ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, dedicada ao tema “A nova evangelização para a transmissão da fé cristã”.

O texto preparatório desta reunião magna destaca que, desde o Concílio Vaticano II até hoje, “a nova evangelização se propôs, cada vez mais com maior lucidez, como o instrumento” para enfrentar “com os desafios de um mundo em acelerada transformação”.

Elias Couto, editor da revista digital ‘Cristo e a Cidade’  e colaborador habitual da Agência ECCLESIA, sublinha a “crise da fé”, na Europa, e diz que “a criação do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, por Bento XVI”, juntamente com a realização do próximo Sínodo, representam “uma tentativa de «forçar» o andamento”, dada a “urgência da situação”.

“Não se trata de uma estratégia, mas do regresso à originalidade da fé e à capacidade de síntese que fez das primeiras Igrejas poderosos focos geradores de cultura, uma cultura nova que reinventou o mundo antigo”, assinala,acrescentando que “a nova evangelização é um dever da Igreja face à antiga Europa cristã”.

Ainda no novo ano, Bento XVI vai deslocar-se pela primeira vez ao México e Cuba, acontecimento que para o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, será um dos “momentos-chave dos próximos meses”