Canção Nova dá bola fora de novo!

Compartilho com vocês o artigo de Everth Queiroz de Oliveira. Estou plenamente de acordo com tudo o que ele diz abaixo.

Antes de qualquer coisa, é bom adiantar que este blog não é contrário ao apostolado desenvolvido pela comunidade Canção Nova. As postagens que já fizemos sobre as recentes manifestações de respeito à sacralidade na Liturgia são prova disso. Recentemente, inclusive, Cachoeira Paulista acolheu a Santa Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano, atitude digna de numerosos elogios.

Só que o problema da vez é político, novamente. Ano passado, após forte protesto vindo do que Edinho Silva (PT-SP) chamou de “setores mais conservadores da Igreja”, o programa “Justiça e Paz”, que seria apresentado pelo político petista, foi tirado do ar. Junto com o deputado, quem deixou a grade de programação da TV Canção Nova foi o deputado Gabriel Chalita, do PMDB – e esta, nas atuais condições, deve ser considerada outra grande vitória alcançada graças à reação dos católicos “conservadores”. A atitude tomada pelos dirigentes da comunidade carismática tinha uma intenção clara: afastar apresentadores que estivessem envolvidos com a política eleitoral. Tanto é verdade que não só Edinho e Chalita foram embora, como os deputados Eros Biondini e Myriam Rios.

Acontece que a saída do deputado Gabriel Chalita foi também – como já dito – uma grande vitória. E por quê? Porque, nas eleições presidenciais de 2010, Chalita fez aliança política com o partido que mais trabalhou para legalizar o aborto em nosso país – o Partido dos Trabalhadores. Durante toda a campanha, afirmou que estes católicos que condenavam a candidata Marta Suplicy ou a até então presidenciável Dilma, por serem favoráveis ao gayzismo e ao aborto, não passavam de mentirosos, cidadãos dispostos a disseminar o que ele chamou de “boataria”. E mesmo sendo amplamente documentados todos os “boatos” defendidos pelos “conservadores caluniadores”, o discurso do político paulista não teve mudança. Mais: recentemente, depois de já eleito deputado federal, Chalita defendeu publicamente o reconhecimento civil das uniões homossexuaisassunto que também já abordamos aqui. Mais uma vez, desafiou descaradamente a doutrina católica, ignorando uma declaração fundamental da Congregação para a Doutrina da Fé, “dando de ombros” para a palavra da Igreja, palavra do até então cardeal Joseph Ratzinger – hoje Papa Bento XVI.

Bom, este homem, que, apesar dos fatos já explanados, “enche a boca” para dizer nos meios de comunicação que é “católico”, foi afastado da TV Canção Nova. Mas, aparentemente, seus laços de amizade com a comunidade carismática não foram totalmente desfeitos. Pelo menos, é esta a mensagem que passa a foto abaixo, tirada durante o Acampamento PHN, que aconteceu neste fim de semana, em Cachoeira Paulista.

O candidato à Prefeitura da cidade de São Paulo aparece, na imagem, ao lado de alguns membros da comunidade Canção Nova, durante o que parece ser um momento de oração. E, ao lado do cantor Dunga, uma personagem nova: o ministro da Saúde do governo Dilma, Alexandre Padilha, o mesmo que já fez a proposta – nojenta – de credenciar mais 30 centros para o aborto “legal” no Brasil, até o final deste ano.

A pergunta é: o que estes dois senhores – um “católico” amante das honrarias do mundo e um mundano amante dos ensejos feministas – estão fazendo no palco do Rincão da Canção Nova? Qual é o real sentido desta palhaçada?

Comemoramos muito a saída de Edinho Silva e de Gabriel Chalita da programação desta TV católica. E não nos calaremos diante desta que pode ser uma nova tentativa de infiltrar nessa comunidade – que tem um belo trabalho de evangelização – as sementes do socialismo, do petismo abortista e do laicismo agressivo, inimigos da religião católica. Por isso, os católicos do Brasil exigem satisfações… Os amigos da Canção Nova pedem – com urgência – uma explicação.

Anúncios

Canção Nova acolhe missa tridentina

Compartilho com vocês o que acabei de ver: pela primeira vez, a Comunidade Canção Nova presenciou uma missa no rito extraordinário – missa tridentina. A Missa no rito antigo foi celebrada dia 15 de julh0/12, na Capela de Santa Rita (abaixo do Centro de Evangelização), pelo Pe. Demétrio Gomes.
Você poderá ver abaixo um trecho da homilia deste grande homem de Deus – Pe. Demétrio – na celebração da Santa Missa.

Pe. Roger Luís em defesa da vida e contra a fala da ministra dilmista

Pe. Roger Luís, sacerdote da Comunidade Canção Nova, subiu o tom contra o pronunciamento da nova ministra dilmista sobre o feto. As palavras do sacerdote foram transmitidas ao vivo pela TV numa homilia em que ele presidia a missa.

https://i2.wp.com/wiki.cancaonova.com/images/thumb/f/f2/31_eventos-005-1-.jpg/165px-31_eventos-005-1-.jpgO feto não é um mosquito, o feto não é uma infecção; é uma vida, é uma pessoa que está ali! (…) Nós precisamos nos despertar, nós, como povo católico, (…) não podemos ser um povo alienado. (…) ‘Ah, padre, vamos fazer uma campanha de oração para que o aborto não seja aprovado no Brasil’… Vamos rezar, mas vamos agir! (…) Eu gosto sempre de usar uma frase (…) de um homem chamado Martin Luther King Júnior: ‘Eu não temo o barulho dos maus, mas eu temo o silêncio dos bons. Eu me aterrorizo com o silêncio dos bons’. (…) Onde estão os bons? Onde estão os comprometidos com a fé?”

“Deixa eu dizer uma coisa: onde estão os senadores e os deputados católicos em Brasília, pra se levantar contra as atrocidades, e irem lá (…) subir no púlpito e defender a vida? Onde estão aqueles que você colocou lá, com o seu voto? É deles que você tem que cobrar! Eu glorifico a Deus pelo deputado Eros Biondini, que hoje subiu na tribuna pra defender a vida… Mas onde estão os outros? Onde estão os outros? Eu quero o nome de cada um, que subiu na tribuna, pra defender a vida, que se diz católico… Eu quero ver o nome de cada um… Onde estão? Porque, na hora de votar, vai na igreja, vai no salão das nossas paróquias, pedir voto… Agora, eu quero ver eles na tribuna… eu quero ver eles contradizendo essa ministra… Onde eles estão?”

Canção Nova e os políticos

Há anos que a Comunidade Canção Nova é visada pelos políticos que, conhecendo o raio de influência da emissora, se aproximam dela com objetivo de angariar votos dos católicos. Vários políticos têm aparecido nos encontros e acampamentos realizados pela comunidade e transmitidos pela televisão.

Anos atrás, o ex-deputado Salvador Zimbaldi (não sei de que partido) andava pelos corredores da Canção Nova e, devido à sua presença “caridosa”, a Canção Nova quase entrou numa fria. O deputado queria doar  ambulâncias superfaturadas para a comunidade (ver a notícia aqui).

O deputado federal Gabriel Chalita (hoje PMDB, mas ex-PSB e ex-PSDB) sempre foi um homem presente na comunidade, visto que é nascido em Cachoeira Paulista, cidade onde está a sede da comunidade. O deputado é um grande colaborador da obra e quem tem aproximado a direção da Canção Nova com os políticos. Foi através dele, quando ainda Secretário de Educação de São Paulo, que a comunidade recebeu de doação do governador paulista uma fazenda de 87 hectares (ver aqui).

O problema é que vários políticos que se aproximam da comunidade católica se dizem cristãos, mas pregam ou vivem uma moral política diferente da moral católica. Claro, isso escandaliza os fiéis que pensam mais ou menos assim: “como pode um homem deste estar na Canção Nova e defender o aborto, o casamento gay ou participar de esquemas de corrupção?” Não que estes (os políticos) não sejam homens falíveis, mas pelo menos deveriam dar exemplo na vida pública.

O  fato mais recente envolvendo a Canção Nova e um político foi a presença do deputado Edinho Silva, presidente do diretório estadual do PT em São Paulo. O deputado, ao lado do bispo de Jales – Dom Demétrio Valentini – se tornou apresentador do programa “Justiça e Paz” na TV católica, fato que desencadeou um enorme protesto entre os católicos, pois o dito deputado foi um dos responsáveis pela apreensão dos folhetos da regional sul I da CNBB nas eleições presidenciais de 2010 que alertava os católicos para não votar em candidatos que apoiavam o aborto, além de que ele havia manifestado recentemente apoio ao movimento GLBT por ocasião de uma passeata. Ressalte-se que o mesmo afirma em seu site ser um católico da teologia da libertação, a heresia condenada pelos Papa João Paulo II e Bento XVI por incorporar conteúdos marxistas.

Após a presença do então deputado no programa da TV Canção Nova, a quantidade de protestos solicitando a coerência da comunidade ganhou repercussão entre a blogosfera católica e chegou até ao blog do Reinaldo Azevedo. Fato que fez que Dom Benedito Beni, bispo da diocese de Lorena, intervisse e pedisse a retirada do deputado petista do programa. Diante disso, a direção da emissora resolveu retirar do ar todos os programas apresentados por políticos, desde o petista Edinho Silva até o deputado Gabriel Chalita, passando por Eros Biondini, Myriam Rios, Paulo Barbosa e Lu Alckimin.

É preciso ressaltar que até o Pontifício Conselho das Comunicações parabenizou a Canção Nova pela retirada dos políticos da grade de programação da emissora.

tuite-vaticano

É preciso ficar de olho nestes políticos oportunistas que usam da religião para proveito pessoal!

 

Canção Nova: aparente vitória das redes sociais

Depois de toda a movimentação dos internautas, a TV Canção Nova resolveu tirar do ar todos os programas apresentados por políticos. O que deflagrou a decisão foi a presença do deputado petista Edinho Silva na grade de programação da emissora. O deputado, perseguidor da Igreja quando o bispo de Guarulhos publicou comunicado aos fiéis para que não votassem em candidatos a favor do aborto, estava apresentando o programa “Justiça e Paz”, programa que tem como objetivo ensinar a doutrina social da Igreja. Outros políticos que perderão seus programas na TV Canção Nova: Gabriel Chalita, Eros Biondini, Lu Alckimin, Paulo Barbosa e  Myriam Rios.

A decisão da emissora é uma aparente vitória daqueles que defendem a doutrina católica não-mesclada com o marxismo. O movimento #cancaonovasemPT ganhou força no Twitter, nos últimos dias. Além disso, vários blogs, sites denunciaram a manobra política de alguns para infiltrar no meio católico. O blogueiro mais lido no país – Reinaldo Azevedo – também comentou sobre a presença petista no canal católico.

Agora, resta observar os passos da emissora, pois, apesar destes políticos perderem seus programas, eles não deixarão de influenciar em algumas decisões ou programas da TV Canção Nova. Fiquemos de olho!