“O sentido de pecado diminuiu” – afirma prefeito do Arquivo secreto do Vaticano

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 08-05-2012, Gaudium Press) O lançamento dos livros sobre a história da Penitenciaría Apostólica e o Arquivo Secreto Vaticano foi ocasião para aprofundar na história e importância do Sacramento da Penitência, no serviço do qual se criaram estas duas instituições pontifícias. Promover a confissão sacramental é um dever urgente para a Igreja do século XXI, segundo explicou o Prefeito do Arquivo Secreto Vaticano, Dom Sérgio Pagano, em entrevista concedida a Zenit.
“Sendo nós sacerdotes ou bispos, temos este grave problema ao ver que muitos fiéis se aproximam da comunhão sem a confissão”, afirmou o prelado. “Agora, este sentido do pecado e das faltas diminuiu e isto é um grave problema pastoral”.

 

Dom Segrio Pagano.jpg
Dom Sérgio Pagano

Sobre o preocupante abandono da Confissão por parte dos fiéis, que atraiu a atenção durante seu documento, o prefeito do Arquivo Secreto Vaticano convidou a um melhor conhecimento e prática dos aspectos básicos da fé católica: “Talvez seja necessário retomar desde a catequese de base: desde o Credo aos sacramentos da Igreja, por que foram instituídos, o que comportam, qual é a vantagem de recebê-los”. Este trabalho de catequese para que os católicos se aproximem e vivam os sacramentos é necessário para “que nossos fiéis não vejam muitas vezes grandes símbolos incompreenssiveis”.

 

Dom Sérgio Pagano também alertou sobre a preparação dos sacerdotes para celebrar o sacramento da Penitência: “faltam confessores, uns são muito severos, outros muitoamplos, outros querem realizar uma tarefa de inquisidores, psicólogos, ou de diretores, que não é a tarefa do confessor”.

A Confissão sacramental, tal como se pratica hoje em dia, foi o fruto da experiência da Igreja ao longo dos séculos, e é uma graça muito mais fácil de obter na atualidade, segundo expôs o prelado. “A Igreja antiga convidava – como Jesus – à conversão única e decisiva e dava, a quem se arrependia, o perdão dos pecados em um ato único e irrepetível: o batismo”.

Mas esta única oportunidade demonstrou não ser expressão suficiente da misericórdia divina: “Jesus, de fato, havia ensinado a seus discípulos que haviam recebido o perdão de Deus, que era não para si mesmo ou para negá-lo aos outros, mas para perdoar como Deus perdoa, sem limites nem condições, a não ser o arrependimento e a conversão”, comentou Dom Pagano.

A forma de administrar o perdão de Deus foi objeto de muito estudo e discussão: “Foi um caso longo, discutido e aceso”, explicou. “Também sobre quem teria o poder penitencial. E como, por exemplo, a praxis penitencial do século II, em uma pequena Igreja à margem da vida pública era inadequada para o século IV”.
Dom Pagano descreveu formas iniciais do sacramento, realizadas de forma pública e com penas severas, que inclusive eram desaconselhadas aos jovens por sua dureza. Estas formas, explicou, praticaram-se “até o nascimento da penitência privada que originou-se no Século VII e rapidamente foi acolhida e se enrraizou”.

 

arquivos_vaticano_g0607.jpg

O evento em torno do qual se geraram estas declarações foi presidido pelo Cardeal Manuel Monteiro de Castro, Penitenciário Maior, e contou com a participação de Dom Gianfranco Girotti, regente da Penitenciaría Apostólica, Dom Pagano, prefeito do Arquivo Secreto Vaticano, e o diretor da Librería Editrice Vaticana, Padre Giuseppe Costa, entre outras personalidades especialistas no tema.

 

Os textos apresentados, “A Penitenciaría Apostólica e seu Arquivo”, de Alessandro Saraco e “A Penitência entre o 1º e 2º milênio. Para compreender as origens da Penitenciaría Apostólica”, de Manlio Sodi e Renata Salvarani, permitem conhecer mais profundamente a história do Sacramento da Penitência. “A leitura destes ensaios corrige por um certo lado algumas visões diversas, que é a ótica da penintenciaría, que olha o sacramento e a sua teologia, a sua praxis, e não tanto ao aspecto cultural, eclesial ou pastoral”.

Com informações da Agência Zenit

Sobre catolicosconservadores
Casado, advogado, católico.

Comentário aguardando aprovação

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: