Papa Bento XVI aos teólogos

Abaixo discurso do Santo Padre aos teólogos do mundo inteiro reunidos em Roma por ocasião da Conclusão da Plenária anual realizada pela Comissão Teológica Internacional de 28 de novembro a 2 de dezembro.

Senhores cardeais,
Venerados irmãos no Espiscopado
Ilustres professores e professoras, caros colaboradores!

É com grande alegria que acolho-vos na conclusão da anual sessão Plenária da Comissão Teológica Internacional. Gostaria de exprimir, antes de tudo, um agradecimento pelas palavras que o Cardeal William Levada, em qualidade de presidente da Comissão, dirigiu-me em nome de todos. Os trabalhos desta sessão coincidiram com a primeira semana do Advento, ocasião que nos faz recordar como todo teólogo é chamado a ser homem do advento, testemunha da espera vigilante, que ilumina as vias da inteligência da palavra que se fez carne.

Podemos dizer que o conhecimento do verdadeiro Deus se volta e se nutre daquela ‘hora’, que nos é desconhecida, na qual o Senhor voltará. Ter essa vigilância e vivificar a esperança da espera não são, portanto, um objetivo secundário para um reto pensamento teológico, que encontra a sua razão na Pessoa daquele que vem ao nosso encontro e ilumina o nosso conhecimento da salvação. Hoje tenho o prazer de refletir novamente convosco sobre os três temas que a Comissão Teológica Internacional está estudando nos último anos. O primeiro está relacionado a questão fundamental de toda reflexão teológica: a questão de Deus e em particular a compreenssão do monosteísmo. A partir desse amplo horizonte doutrinal aprofundastes também um tema de caráter eclesial: o significado da Doutrina Social da Igreja, reservando depois, uma atenção particular a uma temática que hoje é de grande atualidade para o pensamento teológico sobre Deus: a questão do status da teologia hoje, nas suas prospectivas, nos seus principios e critérios.

Atrás da profissão da fé cristã no Deus único, se encontra a cotidiana profissão de fé do povo de Israel: “Escuta, Israel, o Senhor e o nosso Deus, único Deus é o Senhor” (Dt 6,4). O excepcional cumprimento da livre disposição do amor de Deus direcionada a todos os homens, se realizou na encarnação do Filho em Jesus Cristo. Em tal revelação da intimidade de Deus e da profundidade da sua ligação de amor com o homem, o monoteísmo de Deus único se iluminou com uma luz completamente nova: a luz trinitária. E no mistério trinitário, se ilumina também a fraternidade entre os homens. A teologia cristã, junto com a vida dos fiéis, deve restituir a feliz e cristalina evidência da comunidade da revelação trinitária. Apesar dos conflitos etnicos e religiosos no mundo tornar mais dificil acolher a singularidade do pensar cristão de Deus e do humanismo que se inspira nele, os homens podem reconhecer no Nome de Jesus Cristo a verdade de Deus Pai para o qual o Espirito Santo clama diante de cada gemido das criaturas. A teologia, em fecundo diálogo com a filosofia, pode ajudar os fiés a tomar consciência e a testemunhar que o monosteímo trinitário é a verdadeira fonte da paz pessoal e universal.O ponto de partida de toda teologia cristã é o acolhimento desta revelação divina: o acolhimento pessoal do verbo feito carne, a escuta da Palavra de Deus na Sagrada Escritura. Sobre tal base de partida, a teologia ajuda a inteligência fiel da fé e sua transmissão.

Toda a história da Igreja mostra que o reconhecimento do ponto de partida não basta para chegar à unidade da fé. Cada leitura da Bíblia se coloca necessariamente em um determinado contexto de leitura, e o único contexto no qual o fiel pode estar em plena comunhão com Cristo é a Igreja e sua Tradição viva. Devemos viver sempre novamente a experiencia dos primeiros discípulos que eram perseverantes no ensinamento dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e na oração.

Nessa prospectiva, a comissão estudou os princípios e critérios segundo os quais uma teologia pode ser católica e também refletiu sobre a contribuição atual da teologia. É mportante recordar que a teologia católica, sempre atenta a ligação entre fé e razão, teve um papel histórico no nascimento da Universidade. Esse papel é hoje mais que necessário, para tornar possivel uma sinfonia das ciências e para evitar as derivas violentas de uma religiosidade que se opõe à razão e de uma razão que se opõe à religião.

A Comissão Teológica estuda ainda a relação entre a Doutrina Social da Igreja e a Doutrina cristã. O compromisso da Igreja não é somente algo humano, nem mesmo com uma teoria social. A transformação da sociedade operada pelos cristãos durante os séculos é uma resposta à vinda no mundo do Filho de Deus: explendor de tal Verdade e caridade ilumina toda cultura e sociedade. São João afirma: “Nisso conhecemos o amor; no fato que ele nos deu sua vida por nós, portanto, também nós devemos dar a vida pelos nossos irmãos”. Os discipulos de Cristo redentor sabem que na atenção ao outro, no perdão, no amor também aos inimigos, nenhuma comunidade humana pode viver em paz; e isso começa na primeira e fundamental sociedade que é a família.

Na necessária colaboração em favor do bem comum também com quem não partilha da mesma fé, devemos fazer presentes os verdadeiros e profundos motivos religiosos no nosso compromisso social, assim como esperamos dos outros que nos manifestem as suas motivações, a fim que a colaboração se faça com clareza. Quem perceber os fundamentos do agir social cristão poderá também encontrar um estímulo para levar em consideração a mesma fé em Jesus Cristo.

Caros amigos, o nosso encontro confirma em modo significativo o quanto a Igreja tenha necessidade da competente e fiel reflexão dos teólogos sobre o mistério do Deus e Jesus Cristo e de sua Igreja. Sem uma sã e vigorosa reflexão teológica, a Igreja cairia no risco de não exprimir plenamente a harmonia entre fé e razão. Ao mesmo tempo, sem a fiel vivência da comunhão com a Igreja e a adesão ao seu magistério, como espaço vital da própria existência, a teologia não conseguiria dar uma adequada razão do dom da fé.

Transmito através de vós o encorajamento a todos os irmãos e irmãs teólogas que estão espalhados nos vários contextos eclesiais, invoco sobre vós a intercessão de Maria, Mulher do Advento e Mãe do Verbo encarnado, a qual é para nós paradigma do reto teologar, o modelo sublime do verdadeiro conhecimento do Filho de Deus. Seja ela, a estrela da Esperança a guiar e proteger o precioso trabalho que desenvolveis para a Igreja e em nome da Igreja. Com esses sentimentos de gratidão, vos renovo a minha benção apostólica.

Anúncios

Sobre catolicosconservadores
Casado, advogado, católico.

Comentário aguardando aprovação

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: