Gays brasileiros querem mais direitos

Como noticiei há alguns dias, foi apresentado no Congresso Nacional um anteprojeto de lei com o objetivo de consolidar o assim chamado direitos homossexuais, trata-se do Estatuto da Diversidade Sexual.

Coloco abaixo alguns artigos do anteprojeto para você ter noção do que querem os gays brasileiros.

Art. 7º – É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo proibida
qualquer prática que obrigue o indivíduo a renunciar ou negar sua identidade
sexual.

Art. 11 – É considerado discriminatório, em decorrência da orientação sexual ou
identidade de gênero:
I – proibir o ingresso ou a permanência em estabelecimento público, ou
estabelecimento privado aberto ao público;
II – prestar atendimento seletivo ou diferenciado não previsto em lei;
III – preterir, onerar ou impedir hospedagem em hotéis, motéis, pensões ou
similares; (Pousadas e casas de retiro cristãs serão obrigadas a hospedar parceiros de mesmo sexo como se fossem uma família tradicional?)
IV – dificultar ou impedir a locação, compra, arrendamento ou empréstimo de
bens móveis ou imóveis;
V – proibir expressões de afetividade em locais públicos, sendo as mesmas
manifestações permitidas aos demais cidadãos.

Art. 12 – O cometimento de qualquer desses atos ou de outras práticas
discriminatórias configura crime de homofobia, na forma desta lei, além de
importar responsabilidade por danos materiais e morais.

Art. 14 – A união homoafetiva deve ser respeitada em sua dignidade e merece
a especial proteção do Estado como entidade familiar.
Art. 15 – A união homoafetiva faz jus a todos os direitos assegurados à união
heteroafetiva no âmbito do Direito das Famílias e das Sucessões, entre eles:
I – direito ao casamento;
II – direito à constituição de união estável e sua conversão em
casamento;
III – direito à escolha do regime de bens;
IV – direito ao divórcio;
V – direito à filiação, à adoção e ao uso das práticas de reprodução
assistida;
VI – direito à proteção contra a violência doméstica ou familiar;
VII – direito à herança, ao direito real de habitação e ao direito à
concorrência sucessória.

Art. 21 – É garantido o acesso às técnicas de reprodução assistida particular ou
por meio do Sistema Único de Saúde – SUS, de forma individual ou conjunta.
§ 1º – É admitido o uso de material genético do casal para práticas
reprodutivas.

Art. 23 – Não pode ser negada a habilitação individual ou conjunta à adoção de
crianças e adolescentes, em igualdade de condições, em decorrência da
orientação sexual ou identidade de gênero dos candidatos. (Orfanatos católicos, também?)

Art. 25 – É assegurada licença-natalidade a qualquer dos pais, sem prejuízo do
emprego e do salário, com a duração de cento e oitenta dias.

Art. 26 – Estabelecido o vínculo de filiação socioafetiva, é assegurado o
exercício do poder familiar, ainda que o casal esteja separado.

Art. 32 – Nos registros de nascimento e em todos os demais documentos
identificatórios, tais como carteira de identidade, título de eleitor, passaporte,
carteira de habilitação, não haverá menção às expressões “pai” e “mãe”, que
devem ser substituídas por “filiação”.

Art. 33 – Transexuais, travestis, transgêneros e intersexuais têm direito à livre
expressão de sua identidade de gênero.

Art. 35 – É assegurado acesso aos procedimentos médicos, cirúrgicos e
psicológicos destinados à adequação do sexo morfológico à identidade de
gênero.
Parágrafo único – É garantida a realização dos procedimentos de
hormonoterapia e transgenitalização particular ou pelo Sistema Único de Saúde
– SUS.

Art. 36 – Não havendo risco à própria vida, é vedada a realização de qualquer
intervenção médico-cirúrgica de caráter irreversível para a determinação de
gênero, em recém-nascidos e crianças diagnosticados como intersexuais.

Art. 37 – Havendo indicação terapêutica por equipe médica e multidisciplinar de
hormonoterapia e de procedimentos complementares não-cirúrgicos, a
adequação à identidade de gênero poderá iniciar-se a partir dos 14 anos de
idade.

Art. 38 – As cirurgias de redesignação sexual podem ser realizadas somente a
partir dos 18 anos de idade.

Art. 45 – Em todos os espaços públicos e abertos ao público é assegurado o
uso das dependências e instalações correspondentes à identidade de gênero. (Todas os templos religiosos agora deverão ter um banheiro para gays?)

Art. 48 – É obrigatória a inclusão do quesito orientação sexual e identidade de
gênero nos formulários e prontuários de informação nos sistemas hospitalares
públicos e privados.

Art. 50 – A orientação sexual ou identidade de gênero não pode ser usada
como critério para seleção de doadores de sangue.

Art. 51 – Os leitos de internação hospitalar devem respeitar e preservar a
identidade de gênero dos pacientes.

Art. 53 – É proibido o oferecimento de tratamento de reversão da orientação
sexual ou identidade de gênero, bem como fazer promessas de cura.

Art. 60 – Os profissionais da educação têm o dever de abordar as questões de
gênero e sexualidade sob a ótica da diversidade sexual, visando superar toda
forma de discriminação, fazendo uso de material didático e metodologias que
proponham a eliminação da homofobia e do preconceito.

Art. 61 – Os estabelecimentos de ensino devem adotar materiais didáticos que
não reforcem a discriminação com base na orientação sexual ou identidade de
gênero.

Art. 62 – Ao programarem atividades escolares referentes a datas
comemorativas, as escolas devem atentar à multiplicidade de formações
familiares, de modo a evitar qualquer constrangimento dos alunos filhos de
famílias homoafetivas. (dia dos pais e dia das mães nas escolas).

Art. 65 – Nas escolas de ensino fundamental e médio e nos cursos superiores,
é assegurado aos transexuais, travestis, transgêneros e intersexuais, no ato da
matrícula, o uso do nome social o qual deverá constar em todos os registros
acadêmicos.

Art. 73 – A administração pública assegurará igualdade de oportunidades no
mercado de trabalho a travestis e transexuais, transgêneros e intersexuais,
atentando ao princípio da proporcionalidade.

Art. 74 – A administração pública e a iniciativa privada devem promover
campanhas com o objetivo de elevar a qualificação profissional de travestis e
transexuais, transgêneros e intersexuais.

Art. 84 – Devem ser criadas delegacias especializadas para o atendimento de
denúncias por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.

Art. 87 – É assegurado às vítimas de discriminação a assistência do Estado
para acolhimento, orientação apoio, encaminhamento e apuração de práticas
delitivas.

Art. 92 – É assegurado respeito aos homossexuais, lésbicas, bissexuais,
transexuais, travestis, transgêneros e intersexuais, de modo a terem
preservadas a integridade física e psíquica, em todos os meios de
comunicação de massa, como rádio, televisão, peças publicitárias, internet e
redes sociais.

Art. 93 – Os meios de comunicação não podem fazer qualquer referência de
caráter preconceituoso ou discriminatório em face da orientação sexual ou
identidade de gênero.

Art. 94 – Constitui prática discriminatória publicar, exibir a público, qualquer
aviso sinal, símbolo ou emblema que incite à intolerância. (faixas, cartazes, outdoors com frases bíblicas da criação de homem e mulher pode ser considerada homofóbica).

Art. 96 – Configura prática discriminatória negar o fornecimento de bens ou
prestação de serviços ao consumidor em decorrência de sua orientação sexual
ou identidade de gênero

Art. 98 – Nenhum estabelecimento público ou aberto ao público pode impedir
acesso ou estabelecer restrições em face da orientação sexual ou identidade
de gênero. (nem mesmo igrejas)

Art. 106 – A participação em condição de igualdade de oportunidade, na vida
econômica, social, política e cultural do País será promovida, prioritariamente,
por meio de:
I – inclusão nas políticas públicas de desenvolvimento econômico e social;
II – modificação das estruturas institucionais do Estado para o adequado
enfrentamento e a superação das desigualdades decorrentes do preconceito
e da discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero;
III – promoção de ajustes normativos para aperfeiçoar o combate à
discriminação e às desigualdades em todas as manifestações individuais,
institucionais e estruturais;
IV – eliminação dos obstáculos históricos, socioculturais e institucionais que
impedem a representação da diversidade sexual nas esferas pública e
privada;
V – estímulo, apoio e fortalecimento de iniciativas oriundas da sociedade civil
direcionadas à promoção da igualdade de oportunidades e ao combate às
desigualdades, inclusive mediante a implementação de incentivos e critérios
de condicionamento e prioridade no acesso aos recursos públicos;
VII – implementação de programas de ação afirmativa destinados ao
enfrentamento das desigualdades no tocante à educação, cultura, esporte e
lazer, saúde, segurança, trabalho, moradia, meios de comunicação de
massa, financiamentos públicos, acesso à terra, à Justiça, e outros.

 

10 mandamentos para a luta espiritual

Thomas Paprocki, Bispo de Springfield (Illinois, EUA) autorizou que seja recitada em sua diocese, no final de cada Santa Missa, a Oração a São Miguel Arcanjo composta pelo Papa Leão XIII. Para isso, informa o jornal diocesano Catholic Times, foram distribuídos às paróquias cartões impressos, contendo num lado a oração e no outro uma carta de Dom Paprocki.

Um dos maiores trunfos de Satanás em sua camuflagem, é a crença de que ele não existe”, afirmou o Bispo norte-americano. Quando não acreditamos “nas forças do mal ficamos incapazes de resistir a elas. Por isso, é bom lembrarmos a Oração a São Miguel Arcanjo” acrescentou.

Por determinação de Leão XIII, essa oração era rezada no final de cada celebração eucarística até o ano de 1965. “João Paulo II e Bento XVI exortavam os fiéis a rezá-la diariamente, sobretudo depois da Missa”, explicou Dom Paprocki.

“O Arcanjo Miguel quando disputava com o diabo, discutindo a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a pronunciar uma sentença injuriosa contra ele, mas limitou-se a dizer: o Senhor te repreenda!” (Judas v.9).  O Diabo existe para alguns teólogos, religiosos, sacerdotes e algumas religiões e seitas o diabo em geral tem sido visto como uma relíquia da superstição: uma invenção humana.

Por isso em 2002 o arcebispo de Genova, Dionigi Tettamanzi, um dos cardeais mais importantes da Itália, causou grande agitação com sua carta pastoral de 40 páginas sobre como opor-se ao diabo.

A carta  “10 mandamentos”:

Primeiro: “Não te esqueças de que o diabo existe”, porque sua “primeira impostura” é “fazer-nos crer que ele não existe”.

Segundo: “Não te esqueças de que o diabo é um tentador… Não penses que tu és imune ou invulnerável”.

Terceiro: “Não te esqueças de que o diabo é muito inteligente e astuto. Ele continua a ser insidioso por fascinar, como fez com o primeiro homem”.

Quarto: “Vigia os olhos e o coração. E sê forte: em espírito e virtude”.

Quinto: “Crê firmemente na vitória de Cristo sobre o tentador”, porque isso “te fará seguro e imperturbável mesmo diante do mais violento ataque que nos possa ser desferido contra ti”.

Sexto: “Lembra-te de que Cristo te faz participante de sua vitória”.

Sétimo: “Continua a escutar a Palavra de Deus”.

Oitavo: “Sê humilde e ama a humilhação”.

Nono: “Ora sempre, sem te cansares”, a fim de vencer a tentação.

Décimo: “Adora o Senhor, teu Deus, e somente a ele rende adoração”.

Com autoridade divina São Paulo Apóstolo afirmou: “Para o os incrédulos, dos quais o “deus deste mundo” obscureceu a inteligência” (2 Cor 4,4).

O apóstolo São Pedro escreveu, Satanás é “como leão que ruge, procurando a quem devorar”. (1 Pd 5,8) Não causa admiração que o apóstolo São João lembrasse aos cristãos: “O mundo inteiro está no poder do maligno.” (1 Jo 5,19)

É exortativo não ignorarmos os ensinamentos dos santos apóstolos de Cristo. “Jesus Cristo se manifestou para destruir as obras do diabo” (1 Jo 3,8). A ferramenta do Diabo foi anunciado que o diabo deixaria seus trabalhos e ofereceria suas ferramentas para qualquer um que deixasse pagar o preço.

No dia da venda, elas foram expostas de maneira atraente: malícia, ódio, maus desejos, inveja, ciúme, sensualidade, fraude…

Todos os instrumentos do mal estavam lá, cada um com o seu preço. Separada do resto, se encontrava uma ferramenta de aparência inofensiva que, apesar de estar usada, tinha o preço superior ao de todas as outras.

Alguém perguntou ao diabo o que era. É o desânimo, respondeu ele.

-Mas por que ela esta tão aborrecido?

– “Porque”, respondeu o diabo, “ela me é mais útil do que todas as outras ferramentas”. Com ela, eu sei entrar em qualquer ser humano, e, uma vez no interior dele, eu posso manobrá-lo da maneira que melhor me convém.

“Essa ferramenta está usada porque eu a ultilizo quase todo o mundo e pouquíssimas pessoas sabem que ela me pertence”.

É supérfluo acrescentar que o preço fixado pelo diabo para o desânimo era tão alto que a ferramenta nunca foi vendida.

O diabo é sempre o proprietário, e ele continua a utiliza-la…O Capitão Capelão António Álvares da Silva (Frei Orlando), Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREX), disse com categoria: “Gente desanimada é gente vencida”.

Longe e bem longe do diabo e de sua ferramenta. Seguir o conselho do apóstolo São Tiago “Sujeitai-vos, pois a Deus, resistir ao diabo e ele fugirá de vos”. “Chegai-vos a Deus e ele chegará a vós” (Tg 4,7.8).O bom Deus fala para nós: “Não temos, porque eu estou contigo, não fiques apavorado, pois eu sou teu Deus; eu te fortaleço sim, eu te ajudo” (Is 41,10).Contra toda a cilada do inimigo e para uma vida vitoriosa a receita é: o estudo da Palavra de Deus, oração, jejum e a Santíssima Eucaristia.

por Pe. Inácio José do Vale

Professor de História da Igreja

PT e aborto: união indissolúvel

A Frente Nacional contra a Criminalização das Mulheres e pela legalização do aborto apresentou, em audiência pública no Auditório Petrônio Portela do Senado Federal, um documento favorável à despenalização do aborto no Brasil, na quinta-feira, dia 18. O encontro foi convocado pela Senadora Lídice da Mata, do PT da Bahia, com o apoio da senadora Ângela Portela, do PT de Roraima, e da senadora Ana Rita, do PT do Espírito Santo.  Vale ressaltar que as mulheres do PT são as que mais ultimamente tem trabalhado pela legalização do aborto no país e isso não é estranho, pois é o partido que está no poder e há um grande financiamento de grandes multinacionais para que as políticas reprodutivas e sexuais (aborto, anticoncepção, diversidade sexual, etc.) sejam cada vez mais implementadas na legislação brasileira.

 
Segundo o Movimento em Defesa da Vida no Brasil (MDV), durante a mencionada audiência no Senado, representantes de várias ONGs, entre as quais entre as quais está a Articulação de Mulheres Brasileiras, a Marcha Mundial de Mulheres, a Liga Brasileira de Lésbicas, a União Nacional dos Estudantes e a Central Única dos Trabalhadores, apresentaram aos senadores o documento da plataforma para legalização do aborto no Brasil. “Por que outros tentam decidir por nós aquilo que nós sabemos melhor sobre nós mesmas? Por que somos consideradas irresponsáveis na hora de tomar decisões?”, indagou Sônia Coelho, representante da Marcha Mundial das mulheres. (o engraçado é que a UNE e a CUT são organizações que lutam, uma em prol dos estudantes e outra, dos trabalhadores e o que eles tem a ver com a luta pela legalização do aborto?)
 
Para Lídice da Mata, o debate sobre o “pertencimento do corpo” está na raiz de toda a discriminação contra as mulheres. A parlamentar disse acreditar que a discussão sobre a legalização do aborto no Congresso deve ocorrer com a mesma liberdade conferida aos demais temas de repercussão nacional.
 
Como já havia sido anunciado pela senadora Marta Suplicy, o tema do aborto deveria ser retomado pelo congresso. Dois dias após o término das eleições de 2010, ao ser questionada por uma repórter sobre “as chances, depois do que aconteceu nas eleições de 2010, do PT retomar bandeiras históricas como o direito ao aborto e ao casamento gay”, a senadora Suplicy respondeu: “certamente a prioridade do governo passará longe disso, e a presidente Dilma se comprometeu e não fará nenhum gesto neste sentido. Porém o congresso é outra coisa, e provavelmente deverá recuperar [o tema]”. Marta Suplicy pensa que o povo é bobo acreditando nas palavras dela. É claro, que a presidente Dilma não agiria para trazer o tema do aborto para debate, ela não precisa disto, pois ela tem uma enormidade de aliados que fariam isso por ela. Ademais, o risco de ela entrar nessa onda é se passarr como mentirosa e cair sua popularidade.
 
Na mesa do auditório, viam-se faixas com expressões como “Aborto é um direito” e “Aborto: legalize já”. Segundo o MDV o documento pretende também “garantir a orientação sexual” nas escolas e “impedir a prática do ensino religioso na rede pública de educação”.
 
Texto adaptado do site Voto Católico
Com informações de ACI Digital e Agência do Senado

Estatuto da Diversidade Sexual e Estatuto do Nascituro

Temos visto nos últimos anos a inclusão na legislação brasileira de vários estatutos: o Estatuto do Idoso, Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Estatuto do Desarmamento, entre outros.

 Agora, tramitam no Congresso dois estatutos que com certeza vão gerar muita polêmica.

Um é o Estatuto do Nascituro que pretende incluir na legislação brasileira o direito à vida desde a concepção, bem como outros direitos inerentes ao nascituro (bebê que está por nascer). A aprovação deste estatuto é uma batalha enorme a favor da vida e requer toda a pressão da sociedade para que ele seja aprovado, uma vez que o lobby pró-aborto vai tentar barrar com unhas e dentes.

O outro estatuto apresentado no Senado dia 23 perante o Sen. José Sarney é o chamado Estatuto da Diversidade Sexual acompanhado de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para incluir a orientação sexual à Carta Magna. O objetivo é inserir proibições à discriminação por orientação sexual, bem como modificar a licença-maternidade para licença-natalidade (o que querem mesmo é garantir licença aos casais gays ao adotarem crianças). Além disso, o estatuto quer garantir direitos à população GLBT como a união civil entre pessoas do mesmo sexo, direito à pensão ao companheiro sobrevivente e outros direitos chamados de “direitos homossexuais”.

Os dois estatutos prevêem a garantia de direitos aos seres humanos, mas um é politicamente incorreto e outro politicamente correto, vez que o primeiro dificilmente será aprovado e o segundo tem um apoio muito grande dos aliados da presidente Dilma.

É hora de mobilizar os cristãos deste país como nunca antes para vencermos a batalha.

Um dos meios de mobilização é a Marcha Nacional da Cidadania pela Vida, a ser realizada no dia 31 de agosto em Brasília. Vamos divulgar essa marcha pelos blogs, pelo twitter, facebook, etc… E aqueles que puderem participar, compareçam!

 

Pensamento sobre a JMJ por Dom Henrique

Hoje, a imprensa da Espanha, da Itália e de outros países comenta, admirada, a Jornada Mundial da Juventude. Fala de um Papa de 84 anos que atraiu dois milhões de jovens; fala da vitória da Igreja sobre o governo esquerdista e anticlerical da Espanha de Zapatero, fala do Papa que sabe falar aos jovens, fala da força da Igreja que renasce na Espanha…
 
 
Meu querido Leitor, é a mesmíssima imprensa que já afirmou repetidamente que Ratzinger não tem carisma algum, que a Igreja já não tem credibilidade nenhuma, que o escândalo dos padres pedófilos colocou por terra o período triunfalista de João Paulo II, que a Igreja entrou numa decadência sem fim e sem cura… A mesma imprensa que tinha certeza de que, sem João Paulo II, os jovens não mais se reuniriam em tamanha multidão…
Que lições devemos tirar de tudo isto? Aquelas que tenho recordado constantemente neste Blog: os cristãos não devem nunca interpretar as coisas de Deus a partir dos critérios do mundo, particularmente aqueles da imprensa! Nossa visão tem que ser a partir do Alto, a partir da cruz e da ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo!
 
Pense um pouco: (1) Os jovens não foram a Madri por causa de Bento XVI – como no passado não foram por causa de João Paulo II: os jovens foram por causa de Cristo, foram para encontrar Jesus! Um Papa nunca é, nunca pode ser uma atração: não dança, não canta, não requebra, não é sarado, não faz pirueta e não aparece sob efeitos especiais! E se fizer isso, não é o Papa, é a Xuxa! Os jovens foram, vão e irão sempre a esses encontros pela sede que consome seus corações: por causa de Cristo, vida da nossa vida e saciedade da nossa esperança! (2) Um Papa não tem que ser “carismático” no sentido mundano. Todo Papa é carismático, porque, uma vez eleito, recebeu o carisma, isto é a cháris, a graça própria do ministério petrino. Pode ser o comunicativo João Paulo II, o simpático João Paulo I, o bonachão João XXIII, o hierático e angelical Pio XII, o feioso Bento XV, o valente Pio XI, o melancólico Paulo VI ou o tímido Bento XVI. O verdadeiro católico não ama um Papa, não ama esse Papa, ama o Papa, escuta o Papa, obedece ao Papa – exatamente porque é o Papa, seja ele quem for! Para o católico todo Papa é Pedro, e basta!
 
 
(3) Essa multidão reunida não é, não deve ser e não pode ser uma prova de força da Igreja! Nossa força está unicamente na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo – é a mesma força da Semana Santa do ano passado, quando a imprensa acusava a Santa Igreja de Cristo de ser uma rede internacional de pedófilos e se diziam misérias contra o Santo Padre! Nossa força é Cristo, nossa vida é Cristo, nossa certeza é Cristo, nossa alegria e esperança é Cristo! (4) É verdade que Zapatero, adversário ferrenho do cristianismo, está passando – como passaram outros e passarão tantos outros. Ficará a Igreja, a Mãe católica amabilíssima, porque Cristo assim o quis e assim o prometeu! Mas, não devemos pensar aqueles jovens como um triunfo da Igreja sobre ninguém. O único triunfo que devemos buscar é o triunfo sobre o pecado nosso e do mundo inteiro! Se Zapatero é um inimigo externo da Igreja, também nós a prejudicamos com nossos pecados e egoísmos, com nossa tibieza e falta de amor… Os piores inimigos da Igreja estão dentro dela! (5) Quanto ao renascimento da Igreja na Espanha ou em qualquer parte do mundo, ele não pode ser medido por números, por multidões ou eventos… Somente o Senhor da Igreja conhece o número dos seus, somente ele sabe do vigor e da fraqueza de sua Santa Esposa, nossa Mãe católica! No entanto, se aquela multidão de jovens na casa dos vinte anos estava lá, significa que nas paróquias, nos grupos, nos movimentos, nas novas comunidades, nas congregações há uma Igreja viva, crente, orante, disposta a testemunhar o Senhor! Lembra do fermento na massa, do grão de mostarda, do tesouro escondido? Pois é, Jesus não erra nunca; Jesus sabe o que diz e sustenta o que fala! (6) Quanto aos elogios a Bento XVI, que sabe falar aos jovens, ele fala de Cristo com simplicidade, clareza e a convicção de quem experimentou o Senhor ao longo de toda a vida. Isto basta! Mais impressionante que aquela multidão escutando o Papa de 84 anos, é vê-la, junto com o ancião pontífice, silenciosa, contida, piedosamente reverente, ante um pedacinho de pão que esses católicos bobos afirmam ser o próprio Jesus imolado e ressuscitado, realmente presente neste mundo! Basta ver isso para perceber a força da fé, a atuação da graça e a esperança do mundo. (7) Para terminar, repito, mais uma vez: se fossem somente vinte jovens a comparecer a Madri, ainda assim Cristo estaria ali, vivo, atuante, potente, matando a sede de todo aquele que dele se aproxime.
 
Lembre dessas coisas, meu Leitor, quando daqui a pouco, por algum motivo, nalguma dificuldade, a imprensa novamente decretar que a Igreja está no fim, que o cristianismo passou, que a religião é coisa do passado… Então: firmes na fé, com os olhos fixos em Cristo!
 
  Escrito por Dom Henrique às 22h00 – 22.08.2011

JMJ Rio – 2013

O Papa anunciou hoje (24) o tema da próxima Jornada Mundial da Juventude que será realizada em Rio de Janeiro – Brasil em 2013.

O tema escolhido foi: “Ide e façais discipulos em todas as nações!”, uma referência ao Evangelho de Mateus (28,19).

Em setembro, a Cruz da JMJ e o ícone de Nossa Senhora chegam ao Brasil para peregrinarem pelas dioceses do Brasil.

JMJ: discurso da Vigília

Muitos viram que sábado (20) o Papa Bento XVI não pode, devido à chuva, pronunciar seu discurso aos jovens na vigília da JMJ. Claro, que o evento em si já falou muito… os jovens mostraram que estão tentando ficar enraizados em Cristo, edificados Nele, a ponto de não ceder às pressões exteriores para abandonar Cristo.

Abaixo o esperado discurso:

Queridos amigos!

Saúdo-vos a todos, e de modo particular aos jovens que me formularam as perguntas, agradecendo-lhes a sinceridade com que expuseram as suas inquietações, que exprimem de certo modo o anseio de todos vós por alcançar algo de grande na vida, algo que vos dê plenitude e felicidade.

Mas, como pode um jovem ser fiel à fé cristã e continuar a aspirar os grandes ideais na sociedade atual? No evangelho que escutamos, Jesus dá-nos uma resposta a esta importante questão: “Assim como o Pai Me tem amor, assim Eu vos amo a vós. Permanecei no meu amor” (Jo 15, 9).

Sim, queridos amigos, Deus nos ama. Esta é a grande verdade da nossa vida e que dá sentido a tudo o mais. Não somos fruto do acaso nem da irracionalidade, mas, na origem da nossa existência, há um projeto de amor de Deus. Assim permanecer no seu amor significa viver radicados na fé, porque esta não é a simples aceitação dumas verdades abstratas, mas uma relação íntima com Cristo que nos leva a abrir o nosso coração a este mistério de amor e a viver como pessoas que se sabem amadas por Deus.

Se permanecerdes no amor de Cristo, radicados na fé, encontrareis, mesmo no meio de contrariedades e sofrimentos, a fonte do júbilo e a alegria. A fé não se opõe aos vossos ideais mais altos; pelo contrário, exalta-os e aperfeiçoa-os. Queridos jovens, não vos conformeis com nada menos do que a Verdade e o Amor, não vos conformeis com nada menos do que Cristo.

Precisamente agora, quando a cultura relativista dominante renuncia e menospreza a busca da verdade, que é a aspiração mais alta do espírito humano, devemos propor, com coragem e humildade, o valor universal de Cristo como Salvador de todos os homens e fonte de esperança para a nossa vida.

Ele, que tomou sobre si as nossas aflições, conhece bem o mistério do sofrimento humano e mostra a sua presença amorosa em todos aqueles que sofrem. Estes, por sua vez, unidos à paixão de Cristo, participam intimamente da Sua obra de redenção. Além disso, a nossa atenção desinteressada pelos doentes e aos desamparados, sempre será um testemunho humilde e silencioso do rosto compassivo de Deus.

Queridos amigos, que nenhuma dificuldade vos paralise: Não tenhais medo do mundo, nem do futuro, nem da vossa fraqueza. O Senhor concedeu-vos viver neste momento da história, repleto de grandes possibilidades e oportunidades, para que, graças à vossa fé, continue a ressoar o nome de Cristo em toda a terra.

Nesta vigília de oração, convido-vos a pedir a Deus que vos ajude a descobrir a vossa vocação na sociedade e na Igreja e a perseverar nela com alegria e fidelidade. Vale acolher dentro de nós o chamado de Cristo e seguir com coragem e generosidade o caminho que Ele nos proponha.

A muitos, o Senhor chama ao matrimônio, no qual um homem e uma mulher, formando uma só carne (cf. Gn 3, 24), se realizam numa profunda vida de comunhão. É um horizonte de vida ao mesmo tempo luminoso e exigente; um projeto de amor verdadeiro, que se renova e consolida cada dia, partilhando alegrias e dificuldades, e que se caracteriza por uma entrega da totalidade da pessoa. Por isso, reconhecer a beleza e bondade do matrimônio significa estar conscientes de que o âmbito adequado à grandeza e dignidade do amor matrimonial só pode ser um âmbito de fidelidade e indissolubilidade e também de abertura ao dom divino da vida.

A outros, diversamente, Cristo chama-os a segui-Lo mais de perto no sacerdócio ou na vida consagrada. Como é belo saber que Jesus vem à tua procura, fixa o seu olhar em ti e, com a sua voz inconfundível, diz também a ti: “Segue-Me” (cf. Mc 2, 14).

Queridos jovens, para descobrir e seguir fielmente a forma de vida a que o Senhor chama cada um de vós, é indispensável permanecer no seu amor como amigos. E, como se mantém a amizade se não com o trato frequente, o diálogo, o estar juntos e o partilhar anseios ou penas? Dizia Santa Teresa de Ávila que a oração não é outra coisa senão “tratar de amizade – estando muitas vezes tratando a sós – com Quem sabemos que nos ama” (Livro da Vida, 8).

Convido-vos, pois, a ficardes agora em adoração a Cristo, realmente presente na Eucaristia; a dialogar com Ele, a expor na sua presença as vossas questões e a escutá-Lo. Queridos amigos, rezo por vos com toda a minha alma; suplico-vos que rezeis também por mim. Peçamos-Lhe, ao Senhor, nesta noite que, atraídos pela beleza do seu amor, vivamos sempre fielmente como seus discípulos. Amém!